Por Forflin, dos Muitos-Livros

Para ver o capítulo anterior, clique aqui.

O Exílio

crivon-simbolo-Moradin_holy_symbol-125x200 Crônicas das Montanhas do Escudo, final

Estudiosos na tradição anã, alegam que o Escudo de Moradin seria uma poderosa arma na verdade.

Muito tempo se passou desde que Raklin, filho de Paruk II, saíra em exílio e Paruflin mantia-se oculto junto aos Eladrin.

Gerações se passaram, e o Escudo de Moradin permanecia com os filhos de Raklin, que jurara vingança aos inimigos de Lukhudabad.

A linhagem de Paruflin manteve-se fiel a vocação arcana e seus estudos dedicavam-se a retomada da antiga Fortaleza da Cordilheira de Ariân.

O Reencontro

Após a V Era de Crivon Toran, no abençoado dia de Moradin, quando os raios cruzavam os céus do Norte, as linhagens de Raklin e Paruflin foram impelidas por um fogo interior a clamar vingança por Lukhudabad.

Os anões de Raklin, agora liderados por Raskalin, o sedento, marcharam em direção às montanhas de Ariân com o acumulo de sacrifícios, máquinas e armas que os tornaram temíveis. A arte da forjaria encontrara seu ápice fazendo suas armas letais tanto a distância quanto em proximidades de combate pessoal.

Os anões de Paruflin, cujo líder era o arcano Parklin, o audaz, erguidos em montarias selvagens conjuradas, atingiram o lado leste das cordilheiras de Ariân. Eles haviam acumulados muitos poderes elementais e possuíam artefatos mágicos que evocavam a fúria dos raios e das rochas.

Em uma noite de raios e chuvas, após 14 dias de marcha as duas linhagens se encontraram sob as escarpas obscurecidas de Lukhudabad e sorriram.

A Reconquista

Um raio cruzou os céus da antiga cordilheira de Araani e, com o estrondo do trovão, assim como outrora a voz gloriosa de Paruk fizera as montanhas tremerem, assim ecoaram as vozes dos filhos de Raklin e Paruflin, e as hostes diabólicas tremeram diante dos filhos dos céus e da terra.

As legiões de Raskalin lutaram com o calor e a força dos anões dos tempos antigos. Os golpes dos filhos da montanha soaram como música de alegria de combate, e, retumbante, lavaram cada salão de Lukhudabad com o sangue inimigo.

crivon-batalha-entre-anoes-e-orcs-Captura-de-Tela-600x349 Crônicas das Montanhas do Escudo, final

Um batalha titânica de muitos dias se inciou.

A magia de Parklin brilhou nos metais de Raskalin. A cada golpe um estrondo no céu arrebentava a força inimiga e tantos raios brilharam naquela noite quantas estrelas existem nos céus de Crivon Toran. A luz pálida e fria dos raios iluminou as montanhas de Araani, enquanto os filhos de Moradin vingavam a pátria profanada.

Ao final da batalha Parklin sacrificou a própria vida para terminar com a existência do Espectro da Vaidade. Em uma segunda explosão na Cordilheira de Araani, no Jardim de Pedras, com sua magia a estrangular a essência do Espectro, Parklin clamou sobre si a fúria de Moradin.

Neste momento, a furiosa explosão abriu uma fenda na cordilheira e Lukhudabad foi dividida ao meio, e as forças remanescentes das sombras fugiram em desespero.

vale-316x600 Crônicas das Montanhas do Escudo, final

A Fenda de Parklin.

A separação da cordilheira ficou conhecida como a Fenda de Parklin, na qual cresceu um vale fértil.

No lado leste da cordilheira cresceram árvores e, dizem, que é devido a amizade dos filhos de Paruflin com os Eladrin. Dizem ainda que o espírito de Parklin protege e vigia todo o leste da cordilheira.

Esta região se tornou um lugar abandonado e ermo, que muitos anões buscam quando querem refletir e relembrar as grandes batalhas do seu povo.

Os salões antigos de Lukhudabad do lado oeste da cordilheira foram reconstruídos pelos filhos de Raklin e passou a se chamar Montanhas do Escudo ou Murkh’abad.

Os filhos de Paruk voltaram a se unir, e a linhagem de Raklin, que manteve o Escudo de Moradin, continuou a realeza dos povos de Araani. Os filhos de Paruflin, da linhagem arcana, preferiram manter o anonimato, vivendo entre os irmãos sem qualquer distinção, prezando pela modéstia e o serviço fiel a realeza de Paruk.

Assim iniciou a VI Era de Crivon Toran, e rezam as tradições que estes eventos coincidiram com o Grande Cataclismo.

Nos dias de hoje, Ariânia é o nome da região onde vivem os Filhos de Paruk, o primeiro senhor anão, de semblante sereno e firme, com olhos de raios, pele escura e resistente como a pedra, e cuja voz retumbava como o trovão.

paruk-enfrenta-a-sombra-conjuradora-por-shin-600x369 Crônicas das Montanhas do Escudo, final

Paruk enfrenta a Sombra Conjuradora.

Criação e elaboração: Forflin dos Muitos Livros
Fonte de imagens: internet

Crônicas das Montanhas do Escudo, final
Avalie o conteúdo

pinit_fg_en_rect_red_28 Crônicas das Montanhas do Escudo, final

Leia Também: