Orbe dos Dragões

Cenários, Aventuras e Sistemas de RPG

Aventuras em Greyhawk, Greyhawk

O Lar de Tamoreus, 3ª parte

Os heróis continuam a explorar os corredores e salas do lendário Lar de Tamoreus. Para ver os capítulos anteriores, clique aqui.

Greyhawk_Lar-de-Tamoreus8 O Lar de Tamoreus, 3ª parte

Masmorras de Tamoreus

A Sala dos Espelhos

O exausto grupo continua pelo caminho escuro do Lar de Tamoreus. Quando então, David que acompanhava Hadauck mais a frente do grupo, para detectar possíveis armadilhas, percebe um brilho em uma passagem a frente.

Ao se aproximarem com cuidado, o grupo nota uma figura deformada, com braços imensos e com uma cabeça minúscula. Era a imagem deformada de Hadauck refletida em um espelho..

Intrigados, o grupo resolve se aproximar, mas Hadauck resolve disparar uma flecha contra o espelho, o quebrando. Por surpresa, havia mais outro espelho atrás, o guerreiro dispara mais outra flecha, e depois mais outra, até que é parado pela voz de Riore

“Espere, não quebre-os, pode ser importante para nos..”

O grupo entra na sala e nota que haviam inúmeros espelhos com imagens diversas refletidas nos mesmos. Grande, baixo, gordos, magros, todas as maneiras. Ao investigar eles nota que havia um globo de cristal reluzente ao alto que iluminava toda a câmara, além de haver mais um pedaço de mapa no chão, em meio aos cacos de vidro.

Ao perceber algo estranho na sala, Kalin avisa para o grupo sair e prosseguir por outro lugar.

A Armadilha dos Saltos

Ao deixarem a estranha e incomodante sala para trás, o grupo segue por outro corredor. Quando estão pela metade do caminho, o chão abaixo dos pés de Hadauck e David se abre, revelando um alçapão! David evita a queda, mas Hadauck cai de 6 metros. Além deste alçapão, mais outros sete se abrem mais a frente, espaçados de 2 metros, e entre cada um deles, apenas uma superfície estreita.

Apos erguer Hadauck, o grupo percebe que para passar pelo corredor, alguém deve saltar até o outro lado e encontrar algum mecanismo para fechar a armadilha.

O escolhido foi o acrobata e muito ágil Rathnar.

O elfo se concentra nos saltos e no equilíbrio e vai atravessando o fossos com exímia habilidade.
Ao final deste encontra uma alavanca, após puxa-la o corredor volta ao normal.

Então, David analisa a armadilha e encontra um caminho seguro para atravessar sem dispara-la.
Enfim, todos passam.

O Portão Prateado

Ao prosseguirem pelo corredor, David e Rathnar de repente sentem uma sensação estranha, um arrepio inexplicável. Mas para o ladino isso já era conhecido, era a sensação de deixar algo para trás, de deixar uma porta secreta.

Apos vasculharem as paredes, eles encontram uma porta oculta pela poeira, uma porta diferente de todas já vista na caverna, uma porta pesada de prata com um rubi em seu centro.
Apos investigar a porta, David descobre que ela não tem fechaduras, mas que na verdade o rubi no seu centro é uma Gema do Poder. A pedra era a fechadura, ela ocultava imperceptíveis ranhuras e buracos, que somente olhos de um ladino treinado podem enxergar.

”Precisamos encontrar a chave”, foi o pensamento em comum de todos os membros do grupo, que não tinham outra escolha a não ser seguir o caminho…

A Sala dos Três Desafios

O caminho termina em uma sala quadrada iluminada magicamente com três portas. Ao seu centro uma estátua de uma jovem baklunish segurando uma balança, ao seu lado um pote com esferas negras. Em sua boca um pergaminho.

Apos retirar e ler o pergaminho, Riore lê mais um enigma. Nele diz que para encontrar desvendar o mistério devem encontrar dentre as esferas negras qual é a mais leve e por na boca da estátua. Somente assim a charada seria desvendada, mas eles só poderiam usar a balança DUAS vezes.

Apos pensarem bastantes e analisarem as esferas, o grupo percebeu que era muito difícil. Todas tinham o mesmo tamanho e o peso era praticamente igual, sendo impossível definir sem uma balança.

Antes de prosseguir com esta charada, o grupo se vira para as portas e as investiga.

Em cada uma delas havia um texto escrito:

1ª Porta:

”Atrás desta porta está um desafio que exige habilidades de combate e técnica. Vença-o e terá recompensas e tesouros”

2ª Porta:

”Atrás desta porta está um obstáculo que exige inteligência e conhecimento. Vença-o e terá recompensas e tesouros”

3ª Porta:

”Atrás desta porta está um desafio que o equilíbrio do mundo. Vença-o e terá recompensas e tesouros”

O grupo então resolveu escolher Riore como o responsável por cruzar a porta de número dois. Riore tocou na maçaneta e então desapareceu.

Apos uma breve discussão, Rathnar resolve ir para a primeira porta. O elfo estava nervoso mas não demonstrava covardia, estava ansioso para representar o grupo em um desafio. Ele tocou na porta e desapareceu.

A terceira porta ficou entre Kalin e David. Eles não sabiam se o teste seria mental ou físico, exigindo destreza. David relutou em ir, o medo parecia ter se apossado da sua alma, mas apos ouvir as sábias palavras de Kalin, David se encoraja e resolve seguir par a o desafio.

O primeiro desafio, de Riore, foi responder à seis perguntas que exigem conhecimento. Ele respondeu todas as perguntas com facilidade, exceto uma, onde resolveu “chutar” a resposta, mas por acaso, foi a resposta correta.

O segundo desafio, de Rathnar, foi vencer um esqueleto de um Urso Coruja. O combate foi rápido e violento. A criatura possui afiadas garras e um bico devastador. Rathnar cambaleava e via a morte se aproximar.

O elfo já havia passado por uma situação parecida quando ficou cara a cara contra uma pantera deslocadora que havia matado um forte guerreiro; quando enfrentou cara a cara uma poderosa mulher-rato, que havia matado outro companheiro e deixado outro seriamente ferido; quando enfrentou um lobo assassino na estrada para Duroni, e só foi salvo graças a magia de Riore e a intervenção de Kalin.

A sua vida jovem de aventureiro passou toda a sua frente. A responsabilidade de ajudar a Floresta Celadon contra a Sombra de Urnst e outros inimigos que tramam para o seu fim, sua família, sua honra, seus recentes amigos de aventuras. Ele iria decepcionar a todos.

Mas o elfo não perdeu as esperanças e lutou até o fim. Ergueu armas incomuns, mas úteis contra esqueletos, e com a ajuda das chamas do Anel do Fogo, Rathnar derrotou o inimigo. Aos ossos dele havia a chave que abria o Portão Prateado, ao chão, em um prato, estava mais um pedaço do mapa da caverna.

O terceiro desafio exigiu coragem. David se viu de frente a um gigantesco abismo onde para atravessar até o lado onde tinha a porta por onde entrou, ele deveria cruzar uma corda bamba. A principio o elfo se arrastou pela corda com as mãos e os pés, além de prender sua corda para evitar a morte certa no abismo.

Entretanto, parecia que o outro lado ficava mais distante quando ele seguia daquela forma. Alguma força queria que ele se levantasse e fosse em pé. Que ele testasse o seu equilíbrio.

David nunca foi um elfo corajoso, e mesmo com sua morte e ressurreição no Templo do Deus do Heroísmo, isso não mudaria da noite para o dia. O Elfo seguiu em pé, e quando fez isso notou que o outro lado estava muito mais perto, ele só precisava cruzar cerca de 12 metros de corda.
David cai. A morte dele é evitada pela sua corda de segurança, mas ele logo percebe que ela parece estar escorregando, não resta outra escolha a não ser subir novamente! Por sua surpresa, sua corda de segurança escorrega pelo seu corpo e cai no abismo.

Agora ele deveria cruzar 10 metros sem auxilio algum.

Apos inspirar profundamente, David se ergue pela corda, fecha os olhos, e pensa consigo mesmo “ É agora ou nunca”.

Em outra ocasião a não muito tempo atrás, a habilidade do elfo foi testada duas vezes: para encontrar logo a resposta do quadrado do numero 15 e evitar a morte de Rathnar; e para abrir os cadeados que barrava a passagem do grupo no Corredor dos Famintos.

Mas agora era diferente, somente a vida do elfo dependia de suas habilidades. Sua covardia seria muito pior, ele não estaria tendo medo na frente de ninguém a não ser na sua própria. Passar por aquele desafia não era mais uma questão de provar que pode vencer um obstáculo, mas sim uma questão de sobrevivência…

David é um elfo. Se equilibrar na corda não era uma tarefa difícil caso ele superasse o seu próprio medo.

E ele superou, ao menos por enquanto.

Ao chegar do outro lado, David encontrou a saída e ao chão o tesouro prometido: um baú com um pergaminho dentro que dizia uma dica sobre um fragmento do mapa no fundo da armadilha dos 7 fossos e “no fundo da sala octogonal”.

Todos os três saíram das portas vencedores.

Apos mostrarem o que encontraram, o grupo pensou como resolver o enigma da estatueta e as esferas. Riore parecia já saber a resposta, e então explicou:

”Se pesando 3 esferas de um lado, com 3 esferas do outro e sendo elas iguais, saberemos que a mais leve será uma das outras duas. Pesando pela segunda vez descobrimos qual é a mais leve. Caso ao pesar as 3 esferas elas deem um peso diferente, então a mais leve estará entre elas. Pesando novamente duas das três que ficaram do lado mais leve, saberemos qual das três é a mais leve, pois caso na primeira tentativa as esferas derem um peso igual, concluiremos que a terceira que não foi medida é a mais leve.”

Dessa forma, o grupo conseguiu desvendar o mistério da estatueta. Dentro dela encontrou-se uma raríssima poção dourada, identificada por Riore, quem a beber teria todos os atributos aumentados e teria poderes incríveis.

O tesouro de Riore foram três respostas:

1) A chave que Rathnar encontrou é a chave do Salão do Descanso

2) Uma dica sobre uma passagem abaixo da água (não comentada por ele ainda)

3) Uma dica pessoal que dizia apenas “Ignore Xavenides, caso não esteja preparado”.

A poção dourada foi guardada com carinho pelo líder. Agora que o grupo descobriu que a chave encontrada abria o Salão do Descanso, eles resolveram então ir direto para lá pois estavam bastante esgotados.

Mas, antes de chegar lá, passaram pelo corredor dos alçapões, onde David descobriu em um pergaminho que havia um fragmento do mapa embaixo do fosso.

Apos procurar, o ladrão encontrou-o. Agora o grupo já tinha bastantes fragmentos, mas nenhum deles ainda explorados.

O Salão do Descanso : O primeiro descanso

O grupo enfim encontra o Salão do Descanso. Mas, ao adentrarem no lugar notam um ambiente sujo, mal aconchegante, e frio, havia somente um pedestal ao seu centro. Apos testarem colocar chave, o chifre, um osso dourado encontrado, Kalin teve um estalo “O Jarro de Agriás!”.

E ele estava certo, o jarro de Agriás, um item que acompanha o grupo a bastante tempo, era simplesmente a Chave do Salão do Descanso. De alguma forma o gnomo do antigo grupo de Tamoreus, Os Campeões de Verses, havia participado da construção do lugar.

A sala se transformou: camas macias, tapetes, almofadas, uma mesa com muita comida, ar fresco, uma banheira de espumas e um cheiro tremendamente agradável foi-se criado. Enfim, os aventureiros teriam o descanso merecido!

Apos se alimentarem e conversarem brevemente, os exaustos heróis prostam-se para descansar de um dia terrível, com muitas emoções.

Epilogo do primeiro dia

A medida em que avançam no intuito de esclarecer as intrincadas mensagens deixadas por Tamoreus. Algumas perguntas precisam ser feitas:

O que simboliza o Fêmur encontrado no primeiro Criptex, após derrota de Perfídio? Será que haverão outros?

O que vem a ser a tocha de prata com fogo contínuo diferente dos tipos comuns gerados pela magia de mesmo nome?

Quanto falta para o término dessa epopeia e o que estar por vir?

Um corredor preenchido com o cheiro da morte, revela um dos mais bem guardados itens do Líder dos Campeões de Versis, e quem será o escolhido?

O grupo segregado, lutando pela sobrevivência de um difícil teste…

Quem será digno de beber da Unção de Kord, será que os aventureiros conseguirão derrotar Xavenides, para merece-la?

Para mim está sendo uma honra narrar para tão engajada equipe. Estamos nos aproximando dos 50% do 1º nível.

Nota sobre Perfídio e suas Sombras

Ao final desta parte da aventura os aventureiros que tiveram suas forças drenadas pelas sombras, misteriosamente restauraram suas capacidades.

Isto se deve porque em todo o recinto apenas 5 sombras os atacavam, algumas vezes em grupos de 2 ou 3, mas não mais que 5. Elas jamais eram derrotadas, elas regressavam para o Livro da Condenação. Um registro da queda de Perfídio.

As 5 sombras na verdade representavam as sombras de cada um dos aventureiros.
Quando as mesmas foram destruídas, com a queima do livro, as armadilhas se desfizeram, as enganações perderam poder. Restou apenas o Allip.

Comentários dos Jogadores

16/01/08
Anônimo
Curiosidade
Ao final desta parte da aventura os aventureiros que tiveram suas forças drenadas pelas sombras, misteriosamente restauraram suas capacidades.
Isto se deve porque em todo o recinto apenas 5 sombras os atacavam, algumas vezes em grupos de 2 ou 3, mas não mais que 5. Elas jamais eram derrotadas, elas regressavam para o Livro da Condenação. Um registro da queda de Perfídio.
As 5 sombras na verdade representavam as sombras de cada um dos aventureiros.
Quando as mesmas foram destruídas, com a queima do livro, as armadilhas se desfizeram, as enganações perderam poder. Restou apenas o Allip.

16/01/08
Anônimo
Por Brunão
*aplaude de pé*
Duas pessoas em especial… Toi… pela narrativa realmente boa… consegui visualizar perfeitamente as coisas que aconteceram dentro do Lar de Tamoreus…
Scooby… aventura esplêndida… me arrepiei em ver os desafios impostos a nossa equipe… eh uma pena que n pude participar desse inicio… mas esse fim de semana estarei presente sem falta…. =D

Nota do Mestre

Finalmente a 1ª parte do Lar de Tamoreus foi quase totalmente explorada. Ranis em seu intuito conseguiu preservar em “Testes desafiadores” aquilo que desejava que apenas caissem nas mãos de heroís merecedores. Aqueles que adentraram ao Lar de Tamoreus, através da Chave cedida pelo Svirfneblin Agriás, pareciam aos seus olhos merecedores.

E assim, A Unção de Kord – Líquido elaborado através de ingrendientes rarissímos, a exemplo do sangue de dragão de prata cedido conscientemente; e Esemble – a Metamorfa, detentora de 3 títulos: A Caçada, A Caprichosa e A Dançarina; finalmente estão de posse dos heroís que se consideram prontos para descobrir o segredo de Tamoreus.

Dois dos Três grandes itens guardados no Lar de Tamoreus, já foram encontrados: Os três itens são: A Unção de Kord (Guardada por Xavenides), A Esemble (Guardada pela passagem da Morte) e por fim A Armadura de Vyceratull (Guardada por ??).

Diante dos aventureiros, o fim dos testes mágicos de Ranis. E começa os desafios de Tamoreus, um complexo de câmaras e túneis guardados por temíveis monstros e cruéis armadilhas que impedem a entrada de intrusos oriundos da fenda que sangra do Abbor-Alz. Estejam prontos…

Contudo ao que parece os aventureiros não estão mais sozinhos, além de Amphis Gonatodes, um homem lagarto, dito ser um dos filhos de Mantarax que se aliou ao grupo; Xavenides sobreviveu ao confronto contra os aventureiros e agora parece querer saciar sua fome com as entranhas daqueles que a derrotou. E mais duas incognitas figuras adentraram os portões abertos do Lar de Tamoreus.

Parece que as coisas se complicarão nos passos futuros de nossos heróis.

Continue lendo em O Lar de Tamoreus, 4ª parte

Greyhawk_Lar-de-Tamoreus9 O Lar de Tamoreus, 3ª parte

Os heróis descansam após cruzarem pelo desafios do Lar de Tamoreus

O Lar de Tamoreus, 3ª parte
Avalie o conteúdo

pinit_fg_en_rect_red_28 O Lar de Tamoreus, 3ª parte

Leia Também:

2 Comments

  1. Bruno Simões

    Bala man. Lembro da tensão que passamos no Lar de Tamoreus como se fosse ontem.

Leave a Reply

Theme by Anders Norén