A PERÍCIA TEOLOGIA:

Dentro do sistema de regras ora proposto o NH do personagem em determinada mágica não pode superar o seu NH na perícia Teologia.

Afinal de contas, se o Nível de Habilidade (NH) do clérigo em uma magia reflete não apenas um conhecimento mecânico das fórmulas e rituais necessários para conjurá-la, mas também uma compreensão profunda das diversas facetas, aspectos e esferas de influência das divindades que compõem o panteão do cenário de campanha, seria incoerente admitir que ele pudesse dominar uma mágica em nível superior ao seu entendimento geral dos desígnios divinos, expresso pelo seu NH na perícia Teologia.

A verdade é que nenhum sacerdote é capaz de canalizar com segurança um poder que não compreende. O mero fato de ele conhecer meios mais poderosos de invocar o favor dos deuses não significa que seja capaz de utilizá-los. Se não entende como funcionam, de nada lhe servirão.

Por outro lado, com a implementação das regras sobre a Aptidão Mágica descritas na seção “A Aptidão Mágica” do Capítulo II, também aplicáveis ao Investimento em Poder (consulte a seção anterior para maiores detalhes), os personagens poderão alcançar rapidamente enormes Níveis de Habilidade em magias poderosas, o que acarretará um desequilíbrio nocivo na mesa de jogo. Estabelecer o NH em Teologia como limite para o NH dos personagens em suas mágicas tornará esta evolução mais lenta e custosa.

GURPS True High Fantasy – Capítulo III – A Perícia Teologia
Avalie o conteúdo

pinit_fg_en_rect_red_28 GURPS True High Fantasy - Capítulo III - A Perícia Teologia

Leia Também: