Orbe dos Dragões

Cenários, Aventuras e Sistemas de RPG

Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Guia de Aventuras e Campanhas em Forgotten Realms.

fr_campaignmap Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Navegue nos tópicos abaixo para saber mais sobre a campanha “O Segredo Enterrado no Gelo”, ambientada no Reino de Damara, localizado no continente de Faerûn, que pertence ao mundo de Toril. Ela se inicia no ano de 1372 CV (Ano da Magia Selvagem), algum tempo depois da derrocada do Rei-Bruxo de Vaasa. Gareth Dragonsbane ascendeu ao trono e trabalha incansavelmente para recuperar a economia da região e restabelecer a força do seu exército.

Podemos citar as seguintes fontes como referência para o tom geral da campanha e o clima das aventuras:

Música: Os álbuns “House of God” do cantor King Diamond e “Cruelty and the Beast” da banda Cradle of Filth.

Literatura: Os livros “As Prosperidades do Vício”, “Os Infortúnios da Virtude” e a “Filosofia na Alcova” do Marques de Sade, “O Nome da Rosa” de Humberto Eco, “O Morro dos Ventos Uivantes” de Emily Brontë, “As Crônicas de Fogo e Gelo” de George R. R. Martin, “O Silêncio dos Inocentes” de Thomas Harris, “Contos de Imaginação e Mistério” de Edgar Allan Poe (em especial os contos “A Máscara da Morte Vermelha”, “Morella” e “A Queda da Casa de Usher”) e “Histórias de Horror: O Mito de Cthullu”, “Nas Montanhas da Loucura”, “Dagon” (em especial o conto “A Sombra sobre Innsmouth”) e “À Procura de Kadath” de H. P. Lovecraft.

Filmes: O Silêncio dos Inocentes (1991), Hannibal (2001), O Dragão Vermelho (2002), Anjos Rebeldes (1995), Hellraiser (1987), Coração Satânico (1987), A Profecia (1976), O Nome da Rosa (1986), Excalibur, A Espada do Poder (1981), Carrie, A Estranha (1976) e O Iluminado (1980).

Séries: Penny Dreadful (2014-2016), Guerra dos Tronos (2011-2017), True Detective (1ª Temporada – 2014), American Horror Story (2ª Temporada – 2011-2017) e Sons of Anarchy (2008-2014).

Quadrinhos: A minissérie “Raça das Trevas” de Clive Baker.

Clique aqui para fazer o download gratuito do Guia do Jogador, que descreve em detalhes toda a ambientação da campanha “O Segredo Enterrado no Gelo”.

1. DAMARA

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS    

Capital: Heliogabalus.

População: 1.321.920 (87% de humanos, 6% de anões, 4% de halflings e 2% de meio-orcs).

Governo: Monarquia.

Religiões: Ilmater, Silvanus e Tempus.

Importa: Comida, gado de corte e madeira.

Exporta: Gemas, ouro, ferro e prata.

Damara localiza-se no norte de Faerûn, em uma região conhecida como Terras Geladas, que também engloba os reinos de Narfell, Sossal e Vaasa. Seu clima inóspito se deve principalmente à influência da Grande Geleira. Trata-se de uma nação tolerante com todas as raças e a maioria das religiões, além de bastante receptiva à visitantes, especialmente aqueles capazes de caçar e eliminar monstros. Atualmente os damaranos administram um próspero comércio de gemas sustentado pelas enormes reservas locais de calcedônia, também conhecida como “pedra-sangue” devido à sua tonalidade avermelhada.

As poucas estradas de Damara geralmente ficam intransitáveis no inverno, mas os rios conectam o interior com a capital. Nos períodos quentes botes e barcos singram as suas águas frias. Quando eles congelam, trenós puxados por cavalos servem como meio de locomoção.

Passo da Pedra Sangrenta: O Passo da Pedra Sangrenta é a única passagem segura através das Montanhas Galena. Quem controlá-lo dominará o comércio entre Vaasa e Damara. A região abriga uma cidade grande (Portal da Pedra Sangrenta), uma floresta e um lago encravado no alto das montanhas.

Floresta da Terra: Essa pequena e compacta floresta cresce novamente em poucos anos sempre que é derrubada. As lendas contam que um poderoso arquidruida enfeitiçou a vegetação do local para resistir ao frio implacável da Geleira do Verme Branco, razão pela qual ela nunca mais ficou coberta de gelo.

Montanhas Galena: Esses picos irregulares e cobertos de gelo são habitados por goblins, gigantes e outros humanóides malignos. Contudo, quatro comunidades de anões escavam as rochas em busca de minérios: as Minas de Pedra Sangrenta (aldeia que possui cerca de 500 habitantes), o Salão da Colina Longínqua (vila que possui cerca de 1.500 habitantes), o Esporão do Ferro (vila que possui cerca de 1.000 habitantes) e o Salão do Martelo do Fogo (povoado que possui cerca de 300 habitantes). Como o Subterrâneo fica muito próximo da superfície na região muitos drows, derro e duegars também exploram os veios das Montanhas Galena. As cidades de Melvaunt e Mulmaster financiam campos de mineração fortificados no sopé das colinas, a oeste.

Geleira do Verme Branco: A Geleira do Verme Branco recebeu esse nome porque grandes bandos de Remorhaz vagam pela região, supostamente liderados por um “Verme Rei” de proporções colossais. Muitos sábios suspeitam que um encantamento poderoso mantêm o clima do local tão frio, pois tratam-se de terras situadas em latitudes muito baixas para sofrerem influência direta da Grande Geleira.

POLÍTICA

Damara-cores-3 Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Desde a sua fundação o Reino de Damara é dividido em condados governados pela nobreza local, embora todos os cidadãos se submetam à autoridade do rei. Os centros de comércio e manufatura se concentram nos baronatos e cidades-estado. Já os ducados e províncias são repletos de comunidades agrícolas e campos de mineração.

Ducado de Arcata: Governado pelo Duque William Horgath a partir da cidade de Valls, a principal atividade econômica do Ducado de Arcata é a agricultura, embora existam algumas minas de ferro e prata na região. Seu povo é conhecido por valorizar o trabalho duro, a meritocracia e a autossuficiência.

Baronato de Pedra Sangrenta: Hoje governado pelo próprio Rei Gareth Dragonsbane, o Baronato de Pedra Sangrenta antes pertencia ao seu sogro, o Barão Tranth, que permitiu que o atual suserano de Damara se casasse com sua filha (Lady Christine) após ele derrotar um exército de bandidos que aterrorizava a região. Sua capital é a cidade de Portal da Pedra Sangrenta.

Ducado de Brandiar: O Ducado de Brandiar tem na agricultura a sua principal atividade econômica. Embora hoje seja administrado por Dormythyrr, um camponês que ascendeu à condição de Regente por ter liderado seus compatriotas em uma revolta contra as hordas do Rei-Bruxo Zhengyi, tradicionalmente era governado pelo Duque de Brandebury. Como o último duque (Duque Ebelard) morreu sem deixar herdeiros, muitos acreditam que Dormythyrr irá assumir sua posição com a benção do próprio Rei Gareth Dragonsbane. Sua capital é a cidade de Goliad.

Ducado de Carmathan: Governado pelo Duque Helmont XV, sua capital é a cidade de Vila do Corvo. Helmont sustenta ser o legítimo herdeiro do trono de Damara por pertencer à dinastia dos Penas de Sangue, que fundou o reino há quase 300 anos. Contudo, a parteira da Casa de Devlin não se lembra do seu nascimento e questiona a versão do duque. Para resolver a querela o Rei Gareth Dragonsbane solicitou a ajuda dos monges do Mosteiro da Rosa Amarela, pois eles são conhecidos por manter registros genealógicos detalhados da nobreza das Terras Geladas.

Baronato de Morov: Governado pelo Barão Dimian Ree, sua capital é a cidade de Heliogabalus, que também é a capital do Reino de Damara. Dimian a anexou ao Baronato de Morov durante o reinado do Rei-Bruxo Zhengyi. Embora publicamente o barão apoie o Rei Gareth Dragonsbane, há quem acredite que na verdade ele conspira com a Cidadela dos Assassinos para usurpar o trono.

Baronato de Ostel: Governado com mãos de ferro pela cruel Baronesa Sylvia Ostel, conhecida por executar seus oponentes políticos, o Baronato de Ostel é o principal aliado do Baronato de Morov, haja vista a estreita relação existente entre seus governantes. Sua capital é a cidade de Praka.

Baronato de Polten: Governado pelo Barão Donlevy, o Jovem, responsável por intermediar as relações do Rei Gareth Dragonsbane com o Reino de Impiltur, sua capital é a cidade de Trilha da Mensagem.

Ducado de Soravia: Criado durante o reinado do Rei-Bruxo Zhengyi, o Ducado de Soravia ainda luta por sua independência. O Duque Ygor, indicado pelo lich como primeiro governante da região, acabou sendo executado pelo povo assim que a vitória do Rei Gareth Dragonsbane foi anunciada. Atualmente sem governante, o Ducado aguarda a nomeação de um novo duque, honra que muitos acreditam que recairá sobre Olwen Amigo-da-Floresta.

LOCAIS RELEVANTES

Os Portões: Essas duas muralhas protegem as saídas do Passo da Pedra Sangrenta, tanto do lado de Damara como do lado de Vaasa. Elas contêm provisões suficientes para enfrentar cercos prolongados e são patrulhadas regularmente. O Portão de Damara tem cinco quilômetros de comprimento e nove metros de altura e é guarnecido por um castelo em cada ponta. Já o Portão de Vaasa tem um quilômetro de comprimento e dezoito metros de altura.

Heliogabalus: A capital de Damara é um próspero entreposto comercial, abastecendo todo o reino com mercadorias importadas de outros pontos de Faerûn. Embora poderosas guildas mercantes possuam bastante influência no governo local, o Rei Gareth Dragonsbane ordenou que elas dispensassem as suas companhias de mercenários. A proteção da cidade agora se encontra nas mãos dos paladinos da Ordem do Cálice Dourado.

Trilha da Mensagem: Essa magnífica cidade e o baronato ao qual pertence se desenvolveram à sombra de um imenso castelo fortificado. O Barão Donlevy, o Jovem, conseguiu se esconder do Rei-Bruxo Zhengyi durante os anos em que ele governou Damara e hoje intermedia as relações do Rei Gareth Dragonsbane com o Reino de Impiltur.

Cidadela do Verme Branco: Construída do lado irregular de um dos picos mais elevados do Esporão da Terra a Cidadela do Verme Branco supervisiona a geleira de mesmo nome de sua infinidade de sacadas, torres, janelas, túneis, salas, passagens e catacumbas antigas. Ela é famosa por abrigar o Mosteiro da Rosa Amarela, um monastério consagrado a Ilmater onde os monges produzem vinho de arando, mantêm arquivos sobre as Terras Geladas e preservam obras de arte em um museu espetacular.

HISTÓRIA

Damara surgiu há quase 300 anos atrás (1075 CV) quando Feldrin Pena de Sangue fundou a cidade de Heliogabalus às margens do lago Mogador. Por muito tempo o reino experimentou paz e prosperidade, protegido de inimigos externos por longas cadeias de montanhas e enriquecido pelo comércio de ferro, prata e calcedônia[1]. Somente as Montanhas Galena produziam cerca de 1.000.000 de P.O. de pedra-sangue por ano.

Rei-Bruxo-Zhengyi Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Rei-Bruxo Zhengyi

Contudo, no ano de 1347 CV o poderoso lich Zhengyi construiu o Castelo dos Perigos ao norte de Vaasa em uma única noite e se autoproclamou governante da região. Rapidamente ele arregimentou um exército de goblins, orcs, gigantes, demônios, clérigos de Orcus e mortos-vivos e se preparou para atacar o reino vizinho.

Nesse momento os damaranos estavam ocupados lidando com um inverno rigoroso e geadas prematuras que destruíram suas lavouras. Além disso, matilhas de lobos e licantropos desceram das Montanhas Galena e transformaram o norte do reino em um mar de sangue. E como se o “Inverno do Lobo” não fosse duro o suficiente, com homens e animais morrendo de fome, um mal antigo despertou nas profundezas das minas localizadas em Portal da Pedra Sangrenta e começou a matar os mineiros. Na época a região era responsável por quase metade da produção de calcedônia de todo o reino.

Aproveitando a oportunidade o Rei-Bruxo de Vaasa atacou o Passo da Pedra Sangrenta e invadiu Damara. A guerra durou 10 longos anos. As nações vizinhas, às voltas com seus próprios problemas, não enviaram nenhuma ajuda. No ano de 1357 CV as forças de Zhengyi e do Rei Virdin Pena de Sangue se enfrentaram durante um verão inteiro no Vau de Goliad, mas nenhum dos lados conseguiu obter vantagem sobre o outro até que o monarca damarano fosse enganado, traído e assassinado por Felix, seu principal general.

Com Damara tomada pelo seu exército o Rei-Bruxo passou a executar todos os nobres que ainda eram leais ao trono dos Penas de Sangue. Em seguida, dividiu a porção sul do reino em seis baronatos independentes, pesadamente taxados e vigiados. O controle das Montanhas Galena foi entregue à Cidadela dos Assassinos, uma organização criminosa que o apoiou em sua empreitada. Por fim, Zhengyi voltou sua atenção para o norte de Damara e acabou por derrubar o último bastião de resistência damarano.

Foi então que o Rei-Bruxo subitamente desapareceu, lançando seu “império” em uma nova onda de caos. Os governantes marionete dos baronatos do sul começaram a conspirar uns contra os outros e terminaram por arruinar a região tanto do ponto de vista econômico como político. Por outro lado, a Cidadela dos Assassinos se aliou à um alto sacerdote de Orcus e à um Arquimago para extorquir dinheiro e escravos do Baronato de Pedra Sangrenta.

Gareth-Dragonsbane Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Gareth Dragonsbane

Humilhado, espoliado e sem mais nada a perder, o povo de Damara se uniu sob o comando de Gareth Dragonsbane e seu grupo de intrépidos companheiros (Olwen Amigo-da-Floresta, Kane, Emelyn “o Cinzento”, Friar Dugald, Celedon Kearney e Riordan Parnell) contra a tirania de Zhengyi. A rebelião começou em Portal da Pedra Sangrenta e contou com a ajuda dos anões, halflings e centauros das florestas da região. Não demorou muito para que os bandidos da Cidadela dos Assassinos fossem aniquilados.

Em seguida, o grupo de heróis exterminou os servos de Orcus que infestavam as minas de calcedônia do Baronato de Pedra Sangrenta, assegurando uma inestimável fonte de recursos ao incipiente movimento de resistência que surgia para se opor aos planos de conquista do Rei-Bruxo. Isso valeu a mão de Lady Christine, filha do Barão Tranth, a Gareth Dragonsbane.

A rebelião cresceu. Arcata, Carmathan, Ostel, Morov e Polten foram sucessivamente reconquistados nas chamadas Guerras da Pedra Sangrenta.

Quando Zhengyi retornou, encontrou uma Damara unida e pronta para expulsá-lo da região. Ironicamente, outro impasse entre os dois exércitos ocorreu no vau de Goliad, mas após uma perigosa jornada ao Abismo Gareth e seus companheiros conseguiram roubar a Varinha de Orcus e levá-la até Celéstia, onde ela foi destruída. E para garantir que a influência do Príncipe-Demônio sobre as Terras Geladas havia terminado para sempre Bahamut ainda entregou aos heróis um artefato chamado Gema-Árvore, que uma vez plantado no Plano Material deu origem à uma belíssima árvore branca que baniu todos as criaturas demoníacas conjuradas pelo Rei-Bruxo de volta para os Planos Inferiores.

Sem a ajuda de Orcus Zhengyi acabou sendo derrotado. O Castelo dos Perigos desmoronou e as hordas de mortos-vivos que ele controlava se desfizeram em pó. Damara finalmente estava livre do seu jugo!

SITUAÇÃO ATUAL

Em 1359 CV Gareth Dragonsbane foi coroado Rei de Damara e desde então trabalha incansavelmente para recuperar a economia do reino e restabelecer a força de seus exércitos. As relações com Impiltur são favoráveis e a aceitação da pedra-sangue aumenta paulatinamente. Existe inclusive um programa oficial de incentivo à imigração de grupos de aventureiros bondosos que desejem se estabelecer na região e jurar lealdade à Coroa. O Rei Gareth até mesmo oferece títulos menores de nobreza àqueles que se dispõem a realizar as tarefas mais perigosas.

Contudo, os relatos sobre as assombrosas quantidades de humanóides malignos que infestam as planícies de Vaasa, em especial nas proximidades das ruínas do Castelo dos Perigos, é sempre motivo de grande preocupação. Damara paga 5 P.O., 15 P.O. e 200 P.O. por goblin, bugbear e gigante eliminado, respectivamente.

2. BARONATO LANCASTENELL

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS

Casa Regente: Lancastenell.

Governante Atual: Barão Maximillian Lancastenell.

Brasão da Família: Coruja Branca.

Capital: Hallisfrane.

População: 97.250 habitantes (70% de humanos, 10% de anões, 8% de halflings, 6% de meio-orcs, 4% de elfos e 2% de meio-elfos).

O Baronato Lancastenell está localizado na margem norte do Rio Branco, junto aos contrafortes das Montanhas Galena. A área é particularmente rica em prata e pedra-sangue e fica próxima da Geleira do Verme Branco e da Floresta da Terra, o que explica a grande quantidade de anões, elfos, halflings e meio-orcs que vivem na região.

O Barão de Lancastenell deve lealdade ao Duque de Carmathan, de quem é vassalo, de modo que Hallisfrane possui relações mais estreitas com Vila do Corvo do que com Heliogabalus.

Os carmathanos são altamente independentes e se consideram os únicos e verdadeiros damaranos, já que Pedra do Corvo foi o primeiro povoado de Damara, fundado pelo próprio Feldrin Penas de Sangue.

HISTÓRIA

Ainda durante a fase de colonização de Damara os Lancastenell conquistaram o direito à exploração da prata e calcedônia existentes nos contrafortes sul e leste das Montanhas Galena após expulsar as tribos de orcs e goblins que viviam na região.

Possuindo estreitos laços com a família Devlin, de quem eram primos carnais, os Lancastenell expandiram seus territórios pela política e pela força bruta, ora arranjando casamentos favoráveis e obtendo privilégios e títulos de nobreza adicionais, ora derramando sangue em guerras rápidas e violentas contra humanóides, bárbaros e baronatos vizinhos. Além disso, procuraram estabelecer relações comerciais diretas com o Reino de Impiltur através da criação de rotas comerciais que a cruzavam a Floresta da Terra, mas as criaturas que habitavam as matas sempre ofereceram dura resistência à derrubada de suas árvores sagradas.

A cidade de Hallisfrane, que significa “Ninho da Coruja” num antigo dialeto do povo das montanhas, se formou ao redor de uma fortaleza construída pelo Barão Victor Lancastenell há cerca de 200 anos atrás. O local escolhido para a edificação da imponente torre não poderia apresentar maior desafio aos arquitetos e engenheiros contratados para realizar a obra: um platô quase inacessível, estreito e ladeado por escarpas verticais, encravado na face sul das Montanhas Galena.

Surpreendendo o trono de Pedra do Corvo, que considerava o projeto uma piada, e aos seus próprios conselheiros pessoais, como que por mágica o Barão Victor ergueu o alteroso e inexpugnável forte. Ele só podia ser alcançado por meio de um engenhoso sistema de gôndolas e através de uma ponte levadiça que o ligava a uma estrada aberta à muito custo na rocha congelada. Diz a lenda que vinte anos após o começo da obra, quando ela já estava quase concluída, uma imensa coruja de asas prateadas construiu seu ninho no torreão mais alto da fortaleza. O povo então começou a chamá-la de Hallisfrane, nome que se espalhou rapidamente e por fim acabou sendo adotado em caráter oficial.

Torre-Hallisfrane Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Fortaleza construída pelo Barão Victor Lancastenell

A partir de 1330 CV o pai do Barão Maximillian, Geofrey Lancastenell, deu início à uma ambiciosa campanha de atração de pensadores, estudiosos e filósofos para Hallisfrane. Ele desejava impulsionar o desenvolvimento tecnológico e mágico da região, tornando-a uma potência dentro do Ducado de Carmathan. Embora algumas facções conservadoras do baronato enxergassem esse incentivo à imigração com desconfiança, haja vista a necessidade flexibilizar diversas leis e abolir alguns privilégios tradicionais, a maior parte da população, especialmente a parcela mais jovem e humilde, apoiou a ideia, o que impediu que seus opositores a atacassem abertamente. O Barão inclusive fundou a primeira universidade de Mineralogia e Prospecção das Terras Geladas, cujo corpo docente crescia em quantidade e qualidade a cada dia.

Entretanto, o repentino ataque do Rei-Bruxo pôs fim aos sonhos do Barão Geofrey. Convocado pelo Duque Helmont XIII a auxiliar as tropas do Rei Virdin, acabou perecendo na Batalha do Vau de Goliad. O próprio Duque Helmont posteriormente foi assassinado por Zhengyi, o que possibilitou que seu covarde primo de quarto grau, Dashard Devlin, assumisse o trono de Pedra do Corvo sob o título de Helmont XIV.

Maximillian-Lancastenell Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Barão Maximillian Lancastenell

Alçado ao posto de barão, o jovem Maximillian Lancastenell foi obrigado a jurar lealdade ao novo duque para evitar que as suas terras fossem devastadas pelas tropas do Rei-Bruxo. A política de desinformação promovida por Dashard era realmente eficiente e logo o povo de Carmathan passou a acreditar que o ducado havia se transformado em alguma espécie de “Estado Independente”, livre do controle dos “falsos damaranos” que governavam a partir de Heliogabalus.

Dessa maneira, quando Gareth Dragonsbane marchou contra Pedra do Corvo acabou encontrando uma forte resistência nos carmathanos, que estavam mais do que dispostos a morrer pela sua “pátria”. Ainda assim Helmont XIV foi derrotado na terrível Batalha das Três Fronteiras depois três dias de intenso combate.

As más línguas dizem que o Barão Maximillian chegou atrasado ao campo de batalha de propósito. Ele odiava Dashard e Zhengyi mas não poderia apoiar Gareth abertamente sem sofrer severas retaliações da Corte de Pedra do Corvo. Alguns o acusaram de covardia e sedição… Mas o fato é que as perdas dos Lancastenell foram mínimas e o barão logo se rendeu aos rebeldes, pagando um preço justo em prata e pedras-sangue para se manter no poder e financiar a causa de Dragonsbane e seus companheiros.

Com a ascensão de Theodorus, suposto irmão de Dashard, ao trono de Pedra do Corvo sob o título de Helmont XV, a destruição do Rei-Bruxo e a coroação de Gareth como novo Rei de Damara, o Barão Maximillian decidiu retomar os ambiciosos planos de seu pai e transformar o Baronato Lancastenell em uma potência regional, custe o que custar. Recentemente ele se casou com Tanya Kranestar, filha do influente Marquês Borys Kranestar, e o casal teve uma filha, a jovem Mary Ann.

HALLISFRANE

Hallisfrane Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Atualmente Hallisfrane é uma cidade em reconstrução. Embora o Barão Maximillian tenha evitado os piores rigores da guerra ao se submeter à autoridade do Duque Helmond XIV, a queda na procura das pedras-sangue prejudicou bastante a economia da região, que passou a depender exclusivamente da prata extraída das Montanhas Galena e das madeiras de lei encontradas na Floresta da Terra.

Contudo, pouco a pouco a política de imigração idealizada por Geofrey Lancastenell está sendo retomada, desta vez com o aval e o apoio oficial do Rei Gareth Dragonsbane. A universidade de Mineralogia e Prospecção foi reaberta e muitos estudantes têm demonstrado interesse no curso.

Os principais pontos de interesse na cidade são os seguintes:

Feira da Calcedônia: Instalada em uma grande praça localizada em um ponto de confluência dos diversos portões de Hallisfrane, a Feira da Calcedônia é o maior centro comercial de Carmathan em muitas e muitas léguas de distância. Para ela convergem mineiros, camponeses, nobres e aventureiros em busca dos bens indispensáveis à vida num ambiente tão gelado e hostil. Diversas caravanas disputam espaço para suas barracas e animais, ambulantes se acotovelam para oferecer seus produtos aos passantes e gatunos discretos aproveitam para furtar os desatentos. A milícia circula constantemente pela feira em grupos de quatro ou cinco homens com o objetivo de manter a ordem e organizar o comércio. Eles usam corseletes de couro simples e capas azuis, além de portar maças como armas.

Taverna do Vento Cortante: A Taverna do Vento Cortante é bastante conhecida  na região por ser limpa, segura e cobrar preços razoáveis. Parte dela foi construída dentro da própria rocha das Montanhas Galena, por isso suas paredes geladas estão sempre guarnecidas por diversas tochas para amenizar o frio. Na parede norte existe uma imensa e disputada lareira, onde muitos clientes e hóspedes gostam de se reunir para fumar e contar estórias. O estabelecimento é o orgulho de Louis, seu proprietário, que cuida de cada detalhe com todo carinho e atenção que um pai dispensaria à um filho. A taverna possui três andares, sendo o térreo repleto de mesas de mogno escuro arranjadas em círculo ao redor de um tablado baixo onde alguns artistas locais costumam se apresentar. No segundo andar estão os quartos comuns, destinados aos viajantes de baixo poder aquisitivo, enquanto que no terceiro pavimento ficam os quartos mais luxuosos e caros. Louis mora junto com sua mulher Anetta e suas três filhas, Lena, Marah e Laystra, no subsolo e conta com a ajuda de Vatak, um imenso meio-orc, para manter a ordem. Anetta e Lena ficam na cozinha. Marah e Laystra servem os clientes. Louis tem bastante ciúme das filhas. No fundo, ele teme que uma delas se apaixone por algum viajante e fuja de casa ou então seja iludida por mentiras pomposas e acabe solitária e grávida.

Guilda dos Negociantes de Pedra-Sangue: Quase de frente para a Taverna do Vento Cortante fica a sede da Guilda dos Negociantes de Pedra-Sangue de Hallisfrane. Atualmente controlada pelo inescrupuloso e astuto Nevandin Morrister, ela recebeu autorização do falecido Barão Geofrey Lancastenell para fiscalizar a extração e a comercialização de calcedônia na região. Minerar, comprar ou vender pedra-sangue sem licença é um crime grave e Nevandin tem permissão para dispensar justiça aos infratores da lei após um julgamento sumário presidido por um clérigo de Tyr, Helm ou Ilmater. Em regra somente é possível negociar legalmente a calcedônia depois da sua transformação em barras, processo durante o qual elas recebem o brasão da família Lancastenell, e do pagamento das taxas devidas à guilda e à coroa.

Banco Shamir:  Alguns metros à noroeste da Guilda dos Negociantes de Pedra-Sangue encontramos o banco da família Shamir, onde viajantes e moradores podem depositar suas economias e realizar serviços de câmbio. Atualmente ele é administrado por Edward Shamir e seu irmão Tobias.

Tenda das Maravilhas: A Tenda das Maravilhas fica bem no centro da Feira da Prata e está sempre apinhada de gente ávida por mercadorias difíceis de encontrar nas Terras Geladas, como frutas e cereais. Seu dono, o velho Mahamute, é conhecido por possuir uma fala macia e cobrar preços exorbitantes. No entanto, praticamente qualquer item comum pode ser comprado aqui, ainda que pelo dobro do preço usual.

Universidade de Mineralogia e Prospecção de Hallisfrane: Situada em um dos bairros mais nobres e luxuosos da cidade, a Universidade de Mineralogia e Prospecção de Hallisfrane foi fundada pelo Barão Geofrey com o objetivo de atrair pensadores, estudiosos e especialistas na área para o Baronato Lancastenell. Embora o ataque repentino do Rei-Bruxo tenha obrigado a instituição a fechar as portas por mais de uma década, recentemente ela retomou suas atividades. Emissários do baronato percorrem as Terras Geladas e os reinos vizinhos divulgando a boa nova e muitos estudantes têm viajado longas distâncias para se inscrever nos diversos cursos oferecidos. A administração da universidade ficou a cargo da meia-elfa Alethra Kulemov, que veio do Forte da Vela há cerca de 10 anos pesquisar os povos e civilizações que habitam as Montanhas Galena desde antes da criação do Reino de Damara. A sua ligação com o Guardião dos Tomos Ulrant lhe assegurou a preferência do Barão Maximillian, em detrimento da pretensão do anão do escudo Brunar Barba Prateada, que inclusive participou da construção da fortaleza idealizada por Victor Lancastenell há 200 anos atrás.

[1] Conhecida na região como “pedra-sangue” devido à sua tonalidade avermelhada, era vendida em barras após receber o selo de uma casa nobre damarana em uma face e o ano da fabricação na outra. Embora facilmente alcançassem o preço de 25 P.O. no passado, hoje elas são consideradas “dinheiro amaldiçoado” pela população.

Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo
5 (100%) 2 votes

pinit_fg_en_rect_red_28 Campanha: O Segredo Enterrado no Gelo

Theme by Anders Norén